Archive for setembro, 2008

Prima Settimana

setembro 26, 2008

Faz uma semana que deixamos o Brasil! As vezes parece que faz um dia, as vezes parece que faz dois meses… Se o tempo parece meio doido, certo é que, aos pouquinhos, vamos nos acostumando com tudo que acontece ao nosso redor, afinal as coisas sao bem diferentes. As ruas, as pessoas, as casas, a paisagem, a lingua. Tudo novo.

Uma semana… pouco tempo, mas, como disse o Fernando ontem, “se fossemos embora amanha ja teriamos aprendido muito!” So estar aqui ja eh um aprendizado que nao tem como medir. Que nem diz minha tia, ” é uma outra escola”.

Se for assim, ainda estamos nas primeira aulas. Que venham as proximas!

bacci a tutti

arrivederci!

Gustavo Zonta – che è in Italia una settimana fa…

Ciao!

setembro 22, 2008

Depois de 3 avioes e mais ou menos umas umas 13, 14 horas… chegamos a Italia!! Viagem tranquila, apesar das dificuldades para dormir a 10 mil metros de altura. Com o passaporte italiano em maos tudo foi muito calmo! Nem parecia que estavamos atravessando um Oceano e entrando em outros paises. Primeiro Suica, depois Italia. Agora ja estamos em Verona…

Que cidade! A Arena, o rio Adige, as pontes, as igrejas…tudo tem uma historia. A cada passo um legado deixado pelo homem. Ruas estreitas, casoes alto com janelinhas por todos os cantos, carros de ultima gerecao. Realmente, Verona é lindissima! Clima agradavel, estamos no outono, mas hoje faz uma baita calor. Claro, de tardezinha esfria sempre e daqui pra frente a tendencia eh esfriar ainda mais. Esperemos o inverno…

O idioma eh o que mais me agrada. Cresci ouvindo meus pais falarem italiano e agora estou aqui. Me sinto bem ouvindo italiano em casa, na TV e nas ruas. Falando nisso, logo vamos comecar cursinho por aqui. Ja me viro mais ou menos, mas nao vejo a hora de ter seguranca o suficiente para sair falando com as pessoas. Ainda sinto um frio na barriga quando abro a boca para falar alguma coisa, mas aos poucos vou me soltando.

Amanha devemos fazer a residencia e logo vamos comecar a procurar emprego. Espero que tenhamos sorte pra encontrar alguma coisa rapido e se possivel boa! Nao sera facil, mas nao vamos desistir…

Non ho piu niente de dire per oggi… Allora me vado!!

A presto… arrivederci!

Gustavo Zonta – que agora esta na Italia…

É hoje!

setembro 19, 2008

É hoje! Estou mudando de país. Vou viajar para a Itália, daqui a algumas horas, sem saber o dia da volta. Levo comigo um grande amigo, outros tantos na memória, e a vontade de ver o mundo. Quero apreciar a sensação de insegurança e medo por estar em uma terra desconhecida, onde as pessoas falam uma língua que pouco conheço e vivem de uma forma que eu ainda nem sei.

Ao mesmo tempo em que tudo isso me assusta, também me instiga. Acho que é o começo de uma aventura que vai me fazer alguém melhor. To indo pra conhecer novos lugares, novas pessoas, mas também para me conhecer de verdade. Sinto quase que uma necessidade de embarcar naquele avião e viver tudo o que me espera.

Meus amigos e minha família entendem o quanto isso é importante pra mim e desde quando tudo era apenas um idéia meio “louca” sempre me apoiaram! Por isso, eu levo eles comigo, porque sou fruto do que vivi com todos eles, e tenho certeza que a saudade vira. Agradeço a eles por tudo e agradeço também cada voto de boa viagem que recebi nestes últimos meses. Valeu!

No mais, até logo! Porque certamente nos veremos em breve…

Aproveito pra retribuir aqui o obrigado do Fernando, meu grande amigo que topou toda essa loucura comigo. Com certeza, sua presença vai mudar os rumos dessa viagem incerta… valeu por estar do meu lado nessa hora tão importante! ObrEgado.

Espero estar postando novidades logo, logo… e que sejam ótimas!

Valeu!

Arrivederci amici… a presto!

Gustavo Zonta – que em algumas horas vai botar o pé na estrada…

11 de setembro

setembro 11, 2008

Era terça-feira, mais uma de tantas outras. Eu ainda morava em Ascurra, interior de Santa Catarina, e estudava no primeiro ano do ensino médio. Tínhamos deixado o colégio mais cedo e caminhávamos juntos, eu e meus colegas, pela longa avenida de asfalto, a caminho de nossas casas. Naquele momento, não fazíamos a mínima idéia de que aquele não era um dia qualquer. Nem passava pelas nossas cabeças que lembraríamos daquela terça sete anos depois. Nós e o resto do mundo.

Quando entrei em casa, dia 11 de setembro de 2001, larguei a mochila na sala e passei o olho para ver o que rolava na televisão. Todos os canais passavam a mesma coisa. Imagens ao vivo de Nova Iorque onde teria acontecido um acidente aéreo. Um avião havia se chocado com um edifício no centro da cidade. Fiquei perplexo, apenas digerindo o que via. Pouco depois, outro avião fez uma manobra maluca e se jogou contra a outra torre do edifício.

Não dava para acreditar, era uma cena de filme hollywoodiano acontecendo na vida real, ao vivo pela televisão. O mundo inteiro assistia o desespero e o medo do império americano, que caia junto com as torres do World Trade Center. Eu ainda não tinha idéia disso, mas acompanhava, sentado no meu sofá, o maior ataque terrorista da história. Os EUA, maior potência econômica mundial, eram vítimas do ódio, do fundamentalismo religioso e da sede de vingança de extremistas liderados por Osama Bin Laden.

Hoje, quinta-feira, 11 de setembro de 2008, o mundo ainda não esqueceu aquela terça-feira. Provavelmente, não vai esquecer tão cedo. Depois daquele dia, já vimos os americanos invadir militarmente o Afeganistão, na caça a Bin Laden, e bombardear até ocupar inteiramente o Iraque, para enforcar Saddam Hussein. Tudo isso em nome da “democracia” e da “paz” mundial.

A luta americana pela PAZ tem dado ótimos resultados. No atentado terrorista de 11 de setembro de 2001, morreram 3.234 pessoas. No Afeganistão, que até hoje sofre as conseqüências da invasão de 2001, morreram, segundo relatórios internacionais, cerca de 2.500 pessoas, 1.000 eram civis. No Iraque, ocupação que se mantém até hoje, morreram mais de 4 mil soldados americanos e 151.000 iraquianos, segundo a Organização Mundial da Saúde. Existem outras estimativas de mortes de iraquianos, os números variam entre 82.199, segundo a organização britânica “Iraq Body Count”, e os 1.033.000 mortos, segundo a “Opinion Research Business”, outra organização britânica.

Olhando tudo isso, como é possível esquecer o 11 de setembro?

Gustavo Paulo Zonta – que sente náuseas quando pensa em tudo isso…

Pense!

setembro 9, 2008

“Se você acredita na eternidade, então a vida é irrelevante!”

Dr. House